À medida da sua necessidade,
        do seu espaço e do seu tempo

Área Cliente

Por vezes pensamos que não temos espaço, ou, que para termos uma pequena horta, a nossa varanda ou pátio não têm tamanho suficiente. Posto isto, também não sabemos com que plantas começar: quais as que devemos escolher, quais as que vão produzir melhor, ou apenas quais gostariamos de ver crescer.

No artigo de hoje vamos falar das várias opções a termos em conta nessa escolha.

 

1. Identificar os vegetais que seriam importantes na nossa horta

A primeira pergunta a fazer é: que vegetais gostariamos de consumir da nossa horta? Esta é a pergunta que nos vai indicar acima de tudo o caminho a seguir. Não faz sentido, principalmente porque o espaço é pouco, ter este ocupado com plantas que não gostamos ou que consumimos muito ocasionalmente.

Outra avaliação a fazer é o espaço que podem ocupar na horta. Culturas que se estendem horizontalmente e ocupam muito espaço para se poder ter uma produção que satisfaça as nossas expectativas devem ser reavaliadas, para percebermos se o beneficio de as cultivarmos compensa o não termos espaço para outras plantas igualmente importantes para nós.

Embora uma horta doméstica não possa competir com preços de produções industriais e de agricultura convencional, podemos equacionar alguns vegetais que tenham um preço elevado e cujo sabor de consumido absolutamente fresco seja imbatível com a aquisição em loja. A rúcula é um desses exemplos.

 

2. Utilização do espaço disponível

Se tem um espaço reduzido para a sua horta, pense em vegetais que demoram semanas ou poucos meses a crescer para que esteja constantemente a reutilizar o espaço disponível. Opte pelos legumes de folha verde de crescimento rápido ou por raizes de crescimento rápido (alfaces, rúcula, rabanetes, espinafres, agrião, por exemplo) em vez de plantas de crescimento mais demorado (couves-de-bruxelas, alhos, alho-francês, por exemplo). Quando estes forem colhidos pode colocar, reutilizando o espaço 3 a 4 vezes no ano por exemplo em vez de 2 vezes.

Faça as suas sementeiras, tendo continuamente plantas disponíveis para transplante sem ter o espaço da horta desocupado, permitindo-lhe também  escalonar as colheitas.

 

 3. Associação de plantas

 Utilizarmos o mesmo espaço ocupado por uma planta de maior dimensão, escolhendo outras plantas que não necessitam de um espaço de crescimento tão grande e cujas caracteristicas não impedem o saudável crescimento de todas, é um factor importante a ter em conta.

Um exemplo é o aproveitamento do espaço entre tomateiros ou do espaço restante num vaso com um tomateiro, em que podemos colocar plantas que não necessitam de tanto espaço radicular nem as folhas irão competir verticalmente com o tomateiro. As alfaces necessitam de apenas 20 cm de profundidade e de 20 cm de distância, são boas opções a colocar entre dois tomateiros. Com as temperaturas elevadas do Verão estas ainda irão beneficiar da sombra dada pelos tomateiros. Como têm um crescimento mais rápido que o tomateiro podemos optar por ter mais que uma colheita de alfaces durante o tempo de crescimento e maturação dos tomates.

 

 4. Escolher plantas facilmente perecíveis após a colheita

Quantas vezes compramos legumes ou aromáticas e estas perdem qualidade  ao 2º ou 3º dia de armazenamento? Termos na nossa pequena horta estas plantas disponíveis, em que colhemos apenas a quantidade que necessitamos, diminuindo o desperdício e mantendo a qualidade e sabor, é mais um factor a ter em conta na escolha das plantas a termos na nossa horta.

 Se precisar de ajuda para começar a sua horta, contacte-nos pois é o que gostamos de fazer!